Prisioneiros russos relatam que são enviados para lutar como “bucha de canhão” na Ucrânia - Impacto Rondônia

Prisioneiros russos relatam que são enviados para lutar como “bucha de canhão” na Ucrânia


Durante meses, a Rússia tem usado a obscura empresa privada de mercenários Wagner para reforçar sua presença na linha de frente

Porto Velho, RO - “Estou sendo levado para ser fuzilado. Perdi muita gente lá. Lembre-se disso: não envie mais pessoas para cá. Já chega, eles querem matar todos nós.”

É a última mensagem que Viktor Sevalnev enviaria. Um condenado, que estava preso por assalto à mão armada e agressão, foi enviado da prisão para lutar pela Rússia na Ucrânia.

Depois que a maioria de seus colegas morreu em um ataque a uma fábrica nos arredores de Soledar, foi o ato de sobrevivência que se mostrou fatal para Sevalnev.

Em uma última mensagem para sua esposa, ele disse temer que funcionários do Ministério da Defesa da Rússia logo o tirassem de sua cama de hospital, onde gravou a mensagem de áudio, e o executassem. Dias depois, seu corpo foi devolvido à esposa em Moscou, em caixão fechado.

O destino insensível de Sevalnev se junta a uma lista crescente de reclamações de abuso de condenados com quem a CNN conversou.

Durante meses, a Rússia tem usado a obscura empresa privada de mercenários Wagner para reforçar sua presença na linha de frente com prisioneiros – um esquema inicialmente negado e secreto, mas depois promovido abertamente pelo proprietário do grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin.

Na quinta-feira (9), Prigozhin anunciou que o grupo havia parado de recrutar condenados para lutar na Ucrânia, dizendo que “aqueles que trabalham para nós agora estão cumprindo todas as suas obrigações”.

Nenhuma razão foi dada para a decisão e a CNN não pode confirmar as alegações de forma independente.

No entanto, Sevalnev e vários prisioneiros com quem a CNN conversou parecem indicar uma nova estratégia perturbadora. Eles dizem que foram contratados diretamente pelo Ministério da Defesa da Rússia.

Um oficial de inteligência ucraniano confirmou à CNN que os prisioneiros recentemente capturados pelas forças ucranianas disseram que eram empregados diretamente do ministério.

“Eles enfatizam para nós que não são Wagner, que foram convidados oficialmente pelo Ministério da Defesa”, disse à CNN Andriy Usov, representante de inteligência de defesa do Ministério da Defesa da Ucrânia.

Usov disse que o desenvolvimento tinha “ecos de disputas internas entre a liderança militar russa” e que a hierarquia da defesa russa, o ministro da defesa, Sergei Shoigu, e o novo chefe da operação na Ucrânia, Valery Gerasimov, estavam criando um recurso de condenados que poderiam controlar diretamente por meio de próprias empresas privadas do ministério.

Usov disse que o ministério tem menos condenados por enquanto, mas eles “serão usados ​​da mesma forma como bucha de canhão”, como o grupo Wagner faz.

Vladimir Osechkin, do grupo de direitos dos prisioneiros Gulagu.net, disse que o Ministério da Defesa parece estar atraindo recrutas e condenados do grupo Wagner usando “termos mais favoráveis” como um cheque na crescente influência de seu proprietário, Prigozhin, cada vez mais visto como um concorrente para partes das forças armadas.

“Muitos em Moscou têm muito medo de Prigozhin”, disse Osechkin. “Eles entendem que ele comanda uma enorme gangue – um grupo criminoso organizado de mercenários e assassinos – que a qualquer momento pode arranjar Deus sabe o quê em Moscou.”

A CNN pediu comentários ao Ministério da Defesa da Rússia e não recebeu resposta.

A CNN conversou com vários prisioneiros que trabalhavam para uma unidade conhecida pelo número “08807” – todos dizem ter sido empregados diretamente do Ministério da Defesa da Rússia.

Alguns possuíam documentos sugerindo que eles foram enviados para um elemento do exército separatista de Luhansk, que foi subornado pelo ministério da defesa russo.

A unidade 08807 foi implantada em outubro nas linhas de frente ao redor de Soledar, conhecida como brigada “Shtrum” – para atacar as linhas ucranianas – e sofreu baixas catastróficas.


Sevalnev está enterrado em um cemitério fora de Moscou. Sua esposa foi informada por um oficial separatista russo que ele morreu devido a ferimentos por estilhaços. / CNN

Imagens granuladas obtidas por Gulagu.net mostram Sevalnev e sua unidade celebrando a pré-implantação dançando em um acampamento dentro de Luhansk.

Também os mostra comendo e brincando logo atrás da linha de frente na noite anterior ao início de um ataque a uma fábrica importante em Soledar, que seria fatal para a maioria da unidade de Sevalnev, disseram os sobreviventes.

Os condenados falaram de maus-tratos casuais dentro e fora do campo de batalha, mas o destino de Sevalnev se destacou.

De acordo com uma gravação de uma ligação para sua esposa de um oficial separatista russo que providenciou a repatriação do corpo, sua morte abrupta foi aparentemente causada por ferimentos por estilhaços.

A esposa de Sevalnev se recusou a ser entrevistada para esta reportagem, mas suas mensagens de áudio e imagens dele da guerra foram fornecidas à CNN por Gulagu.net.

Documentos judiciais russos obtidos pela CNN mostram que Sevalnev foi condenado por roubo e deveria, de acordo com sua sentença, estar na prisão quando morreu. Seu túmulo está localizado fora de Moscou e registra seu mês de morte em novembro de 2022.

Três outros sobreviventes da unidade falaram com a CNN do hospital. Um deles, também prisioneiro, disse que Sevalnev foi ferido uma vez, mas enviado de volta para lutar na linha de frente, onde foi ferido novamente.


O caso de Sevalnev e vários prisioneiros com quem a CNN conversou parecem sugerir uma nova estratégia perturbadora usada pelo Ministério da Defesa da Rússia. / CNN

“Ninguém está sendo operado aqui, nenhuma cirurgia realizada em ninguém”, disse ele.

A CNN está retendo seu nome e os dos outros condenados sobreviventes para sua segurança. “As pessoas andam pelo [hospital] com ferimentos de bala, com estilhaços cravados nas pernas.”

Um ex-soldado antes de sua prisão, ele também descreveu perdas catastróficas. “Nosso lote era de 130 pessoas, mas também temos muitos amputados e provavelmente restam 40 pessoas”, acrescentou, dizendo que muitos grupos diferentes de prisioneiros foram adicionados à sua unidade ao longo do tempo.

Ele disse que sua unidade tinha apenas 15 sobreviventes e que o 08807 agora era chamado de 40321, ou “unidade Storm”.

“Em suma, o moedor de carne”, acrescentou. Ele disse à CNN nos últimos dias que havia sido enviado de volta à linha de frente, sem cicatrizar os ferimentos.

Um segundo prisioneiro, ele próprio um veterano de conflitos russos anteriores, disse que foi contratado pelo Ministério da Defesa russo no ano passado, uma década após sua sentença por assassinato, depois de ter sido inicialmente ignorado quando Wagner recrutou de sua prisão.

Ele se descreveu como um “patriota” e reclamou que muitos dos prisioneiros enviados para o front eram “verdes”.

“Não tenho queixas, guerra é guerra. Alguns vêm aqui, ouvem a metralhadora e fogem. Não é bom. Eles armaram para todo mundo, já que ninguém me protege”, disse ele. Este soldado foi gravemente ferido na perna em outubro, após 25 dias no front, mas descreveu como não sentiu medo.

“Na trincheira, a alguns metros de mim, um projétil cai, o solo cai na trincheira, mas não sinto nenhum medo. Não sei por que isso acontece comigo.”

Um terceiro disse que estava cumprindo pena por homicídio culposo quando foi recrutado diretamente pelo Ministério da Defesa. Ele lamentou como seus condenados não receberam o tratamento médico ou os benefícios que o grupo Wagner se gabava de conceder a seus recrutas. [Os recrutas do grupo Wagner também reclamaram de serem usados ​​como bucha de canhão e maltratados.]

Ele descreveu como uma batalha deixou metade de sua unidade como baixas. “Fomos enviados para a frente de batalha. Eu comuniquei aos nossos rapazes que eles estavam disparando morteiros contra nós, que deveriam mirar um pouco para a direita. E ainda assim eles atiraram em nós de ambos os lados. Então eu entendi que eles estavam atirando deliberadamente contra nós.”

O destino dos condenados empregados pelo grupo Wagner não parece melhor, de acordo com parentes de três condenados durante o verão, que apareceram em uma reportagem da CNN em agosto.


O estudante tanzaniano Nemes Tarimo foi morto na Ucrânia em outubro. Sua prima, Rehema Makrene Kigoga, olha para uma foto dele em seu telefone. / CNN

Um havia desaparecido sem deixar rastros por quatro meses, segundo seu irmão. Outro também havia se calado, mas estava enviando ao irmão seu salário, coletado mensalmente em um escritório alugado em um saco plástico lacrado.

Um terceiro apareceu em um vídeo com Prigozhin, retratado como um repatriado sortudo. No entanto, um amigo descreveu sua aparência de “zumbi”, bebedeira pesada e desejo urgente de voltar ao front.

O esquema para enviar condenados à guerra parece ter crescido rapidamente, com números obtidos pela CNN do sistema penal da Rússia mostrando uma queda de 27.000 na população carcerária entre março e novembro do ano passado, quando o esquema tinha apenas três meses.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, também detalhou a legalidade dos perdões que o grupo Wagner insistiu que os condenados fossem concedidos, dizendo a repórteres no mês passado que quaisquer decretos presidenciais perdoando prisioneiros provavelmente eram confidenciais.

“Existem decretos abertos e existem decretos com diversas classificações de sigilo”, afirmou. “É precisamente por isso que não posso dizer nada sobre esses decretos. Posso realmente confirmar que todo o procedimento para perdoar prisioneiros é realizado em estrita conformidade com a lei russa”.

O recrutamento do grupo Wagner também prendeu prisioneiros que não são russos e podem não ter sido condenados por um crime. O estudante tanzaniano Nemes Tarimo estava em um intercâmbio em Moscou quando aparentemente foi preso sob acusação de drogas e mantido em prisão preventiva.

Ele foi condenado em março do ano passado a sete anos de prisão, segundo o Ministério das Relações Exteriores da Tanzânia, citando informações de seus colegas russos.


Makrene Kigoga disse à CNN que a família de Tarimo não sabia nada sobre seu paradeiro até ser informada de sua morte. / CNN

Sua família na Tanzânia disse à CNN que não ouviu nada sobre seu destino até que foram contatados por autoridades para dizer que ele havia morrido.

Wagner divulgou um vídeo macabro de uma cerimônia memorial em homenagem a Tarimo em um cemitério em Molkino, oeste da Rússia, dizendo que ele morreu em outubro perto de Bakhmut.

Seu corpo foi devolvido à Tanzânia no mês passado, segundo a TV estatal, com o Ministério das Relações Exteriores afirmando em comunicado que Tarimo havia aceitado uma oferta para lutar em troca de dinheiro e sua liberdade.

Sua prima Rehema Makrene Kigoga disse à CNN: “Desde a infância, Nemes era um menino muito obediente. Ele não era um malandro, mas era uma pessoa muito religiosa”.

Ela também disse que não ouviu nada sobre seu recrutamento até depois de sua morte. “Quando ele estava vivo, nunca ouvimos falar desse relatório, mas agora que ele morreu, fomos informados de que ele foi preso por delitos relacionados a drogas. Dá muita tristeza e tristeza como uma família. Ele nunca teve o sonho de se tornar um soldado.”

Fonte: CNN Brasil


Prisioneiros russos relatam que são enviados para lutar como “bucha de canhão” na Ucrânia Prisioneiros russos relatam que são enviados para lutar como “bucha de canhão” na Ucrânia Reviewed by Da Redação on fevereiro 14, 2023 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.