De olho na China, EUA obterão acesso expandido à base militar nas Filipinas - Impacto Rondônia

De olho na China, EUA obterão acesso expandido à base militar nas Filipinas


Medida dá às Forças Armadas uma base estratégica na borda sudeste do Mar da China Meridional, apenas 320 km ao sul de Taiwan

Porto Velho, RO - Os militares dos Estados Unidos terão acesso a mais quatro bases nas Filipinas sob um acordo anunciado quando o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, visitou Manila nesta quinta-feira (2).

Além disso, os dois aliados disseram que os projetos em cinco bases já cobertos pelo Acordo de Cooperação de Defesa Aprimorada (EDCA) de 2014 estavam quase concluídos.

A EDCA permite que os EUA façam um rodízio de tropas para bases específicas e construam instalações para uso de ambos os países.

“A EDCA é um pilar fundamental da aliança EUA-Filipinas, que apóia treinamento combinado, exercícios e interoperabilidade entre nossas forças. A expansão da EDCA tornará nossa aliança mais forte e resiliente e acelerará a modernização de nossas capacidades militares combinadas”, disse um anúncio conjunto.

O anúncio não deu a localização das bases às quais os militares dos EUA terão novo acesso.

Ele disse apenas que os novos locais “permitirão um apoio mais rápido para desastres humanitários e relacionados ao clima nas Filipinas e responderão a outros desafios compartilhados”, sem especificar quais são esses desafios.

Vários oficiais de defesa dos EUA disseram à CNN no início desta semana que Washington estava tentando expandir seu acesso a bases nas Filipinas com um olho na China, como parte de uma mudança contínua na postura da força na região do Indo-Pacífico.

Washington tem feito acordos agressivamente no Indo-Pacífico, incluindo o anúncio um dia antes de planos para compartilhar tecnologias de defesa com a Índia, e no início deste mês planeja implantar novas unidades da Marinha dos EUA nas ilhas japonesas.

E na semana passada, o Corpo de Fuzileiros Navais abriu oficialmente uma nova base em Guam, uma ilha americana estrategicamente importante a leste das Filipinas.

Camp Blaz é a primeira nova base da Marinha em 70 anos e espera-se que um dia receba 5.000 fuzileiros navais.

O aumento do acesso às bases militares nas Filipinas daria às forças armadas dos EUA uma base estratégica na borda sudeste do Mar da China Meridional, a apenas 320 quilômetros ao sul de Taiwan, a ilha democraticamente governada de 24 milhões de habitantes que o Partido Comunista Chinês reivindica como parte de seu governo território apesar de nunca o ter controlado.
Movimentos para combater a China

O líder chinês Xi Jinping recusou-se a descartar o uso de força militar para colocar Taiwan sob o controle de Pequim, mas o governo Biden tem sido firme em seu apoio à ilha, conforme previsto na Lei de Relações com Taiwan, segundo a qual Washington concorda em fornecer a ilha com os meios para se defender sem comprometer as tropas dos EUA.

Pequim também reivindica grande parte do disputado Mar da China Meridional como seu território.

Os EUA têm sido firmes em pedir ao governo chinês que cumpra suas obrigações sob o direito internacional e cesse seu “comportamento provocativo” no Mar da China Meridional.

Uma decisão de 2016 do Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia rejeitou as reivindicações da China ao Mar da China Meridional, deixando claro que Pequim estava infringindo a soberania filipina por meio de atividades como a construção de ilhas na zona econômica exclusiva (ZEE) de Manila.

Pequim desmentiu a decisão do tribunal e continuou a construir e reforçar militarmente suas posições no Mar da China Meridional. Ele afirma que os EUA e outros países estão aumentando as tensões na região ao enviar seus navios de guerra para lá, violando sua soberania.

Em novembro, a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, visitou as Filipinas para discutir a expansão do acesso à base americana com o recém-eleito presidente Ferdinand “Bong Bong” Marcos Jr.

Alguns especialistas disseram que sua visita enviou uma mensagem inequívoca a Pequim de que as Filipinas estão se aproximando dos EUA, invertendo a tendência do presidente anterior, Rodrigo Duterte.

Washington e Manila estão vinculados por um tratado de defesa mútua assinado em 1951 que continua em vigor, tornando-se a mais antiga aliança de tratado bilateral na região para os Estados Unidos.

Além da expansão do EDCA, os EUA estão ajudando as Filipinas a modernizar suas forças armadas e o incluíram como país piloto em uma iniciativa de conscientização do domínio marítimo.

Os dois países também concordaram recentemente em realizar mais de 500 atividades juntas ao longo do ano.

No início deste mês, as Filipinas anunciaram que 16.000 soldados filipinos e americanos participariam do exercício anual de Balikatan, que deve ocorrer de 24 a 27 de abril. Esse exercício incluirá “um exercício de tiro real para testar o sistema de armas recém-adquirido dos Estados Unidos e das Filipinas”, disse um anúncio da agência estatal de notícias filipina.

Filipinas já foi território dos Estados Unidos

Os laços formais dos EUA com as Filipinas remontam a 1898, quando, como parte do Tratado de Paris, que encerrou a Guerra Hispano-Americana, Madri cedeu o controle de sua colônia nas Filipinas aos EUA.

As Filipinas permaneceram como território dos EUA até 4 de julho de 1946, quando Washington concedeu-lhe a independência – mas a presença militar dos EUA permaneceu na nação arquipélago.

O país costumava abrigar duas das maiores instalações militares dos EUA no exterior, a Clark Air Base e a Subic Bay Naval Station, que apoiaram o esforço de guerra dos EUA no Vietnã na década de 1960 e início dos anos 70.

Ambas as bases foram transferidas para o controle filipino na década de 1990, depois que um acordo de base militar de 1947 entre Washington e Manila expirou.

Fonte: CNN Brasil
De olho na China, EUA obterão acesso expandido à base militar nas Filipinas De olho na China, EUA obterão acesso expandido à base militar nas Filipinas Reviewed by Da Redação on fevereiro 02, 2023 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.