ESTUDO DE 18 ANOS Pesquisa mostra novo tipo de braquiária altamente resistente à seca - Impacto Rondônia

ESTUDO DE 18 ANOS Pesquisa mostra novo tipo de braquiária altamente resistente à seca


No Brasil, 80% do solo de pastagem apresenta algum nível de degradação; o novo híbrido pode ser alternativa durante a seca

Porto Velho, RO
- Um novo material híbrido de braquiária, conhecido como Brachiaria Híbrida Mavuno, criado em laboratório, se mostrou altamente resiliente a estresse hídrico e solo pobre em nutrientes.

É o que revela estudo do grupo de pesquisa em Ecofisiologia de Plantas Tropicais do Departamento de Biologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP.

Utilizada como alimento para o gado no pasto, a braquiária é uma planta forrageira originária da África e trazida ao Brasil na década de 1960. Usada inicialmente no Cerrado, tomou espaço e é conhecida hoje como a maior fonte de alimento para os bovinos na produção de carne e leite.Vinhos feitos com uvas da Embrapa chegam ao mercado
Convivência harmônica entre soja e mel no Brasil será estudada pela Embrapa

Este novo híbrido, proveniente do cruzamento das espécies Brachiaria brizantha x Brachiaria ruziziensis é o resultado de 18 anos de pesquisa e desenvolvimento genético. O estudo foi feito pela empresa Wolf Sementes, com sede em Ribeirão Preto (SP).

Criada com o intuito de ser resistente às secas, a planta tornou-se uma opção para os produtores e pecuaristas. Sua alta resistência a períodos de estiagem é atrelada às suas raízes mais longas que as da maioria das braquiárias cultivadas no Brasil. Assim, permite que busque água em camadas mais profundas da terra e gerando maior eficiência.

Além disso, é responsável também pela produtividade elevada em comparação a outros tipos de forrageiras, devido a seus maiores níveis nutricionais.

A pesquisa


Foto: Jornal da USP

O grupo de pesquisas em Ecofisiologia de Plantas Tropicais possui 20 anos de existência e tem como objeto de estudo as mudanças climáticas e seus impactos na performance das plantas forrageiras.

Segundo o biólogo Eduardo Habermann, o experimento colocou à prova esse novo híbrido de braquiária que, apesar de bem aceito no mercado, carecia de estudos fisiológicos.

“Nós resolvemos colocar a espécie em teste e ver de fato o quão resistente ela é e quais mecanismos fisiológicos podem estar associados a isso “, conta Habermann.

O estudo foi feito com plantio em vasos e não no campo por um curto período simulando épocas de seca.

“A experiência consistiu em deixar metade das plantas irrigadas de maneira constante e a outra parte teve o suprimento de água cortado após 30 dias, diminuindo sua umidade, forçando assim um estresse hídrico nessas plantas. Por ser no vaso, foi uma condição artificial que levou as plantas a uma seca muito mais rápida e intensa do que normalmente se encontra em um ambiente natural,” explica.

Nesse período de seca, o estudo acompanhou a fotossíntese das plantas até chegar a zero, além de outros parâmetros fisiológicos. Em seguida, houve a retomada da irrigação com o objetivo de acompanhar o padrão de recuperação para entender como, em que velocidade e se essas plantas conseguem se recuperar.

Logo após, houve a criação, dentro da divisão entre plantas irrigadas e não irrigadas, de subgrupos. Em ambos os casos, havia braquiárias que receberam fertilização de NPK, principal composto da agricultura à base de nitrogênio, fósforo e potássio. O outro subgrupo, contudo, não recebeu a fertilização, criando um ambiente mais complexo e estressante.


Foto: Gabriel Faria/Embrapa

A hipótese era de que as plantas não fertilizadas teriam uma menor capacidade de se recuperar do evento de seca.

“A gente sabe que a pastagem quando não está bem fertilizada, o solo não está bem manejado, a produtividade vai ser bem menor. Isto é o que acontece com a maior área de pastagens no Brasil.” Levantamento da Embrapa aponta que cerca de 80% das áreas de pastagem possuem algum nível de degradação.

Braquiária resistente

Os resultados confirmaram a característica da espécie ser resistente ao estresse abiótico, ou seja, submetida à seca e com baixo nível de nutrientes. “Apesar da produtividade ser menor pela deficiência de nutrientes, a capacidade de resiliência da planta é grande.

Outra característica é que essa espécie híbrida tem raízes fortes capazes de captar água em camadas mais profundas do solo. Além disso possui um sistema fotossintético e resistente, possibilitando uma recuperação acelerada e a diminuição de áreas de pastagens degradadas”, diz Habermann.

A orientação do estudo se deu pelo professor do FFCLRP, Carlos Alberto Martinez y Huaman. Segundo o professor, um dos problemas da pecuária brasileira é a falta de biomassa para alimentar o gado nos períodos de estiagem e que qualquer alternativa é bem-vinda. Contudo, ele pontua que os estudos devem continuar, desta vez com o plantio no campo. Assim, testando os efeitos combinados da elevada temperatura e o estresse hídrico em experimento de simulação climática futura.

Além disso, o coordenador técnico da Wolf, Edson de Castro Júnior, afirma que as novas sementes são um grande aliado no combate do aumento das temperaturas no campo e com o poder de rebrote rápido da planta a volta dos animais ao pasto virá rápida.

“Essa tecnologia aliada ao manejo gera rentabilidade e uma economia importante no bolso do pecuarista”, conclui.

Fonte: Por Jornal da USP
ESTUDO DE 18 ANOS Pesquisa mostra novo tipo de braquiária altamente resistente à seca ESTUDO DE 18 ANOS Pesquisa mostra novo tipo de braquiária altamente resistente à seca Reviewed by Da Redação on outubro 10, 2022 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.